segunda-feira, 15 de junho de 2009

Lido por aí

Semana passada li na imprensa alguns comentários e notícias sobre construção de estádios para a Copa 2014 que me chamaram a atenção.

Na coluna do Ancelmo Góes de "O Globo", uma pequena nota dava conta de que, na opinião de um profissional especializado em construções de arenas, apenas os projetos de estádios no Rio e em São Paulo seriam viáveis.

Bem, a coluna não cita o nome do profissional, mas acredito que sua intimidade maior esteja ligada ao aspecto de construção em si, já que em termos de planejamento e auto-sustentabilidade, o tal profissional parece conhecer pouco. Na verdade, sem me alongar muito, se o empreendimento for bem planejado e bem ajustado a realidade local, a grande maioria dos projetos pode ser viável. Não podemos desconsiderar isso apenas porque alguns projetos apresentados são totalmente irreais e explicitamente eleitoreiros. São coisas distintas.

Outro comentário, na verdade um post/artigo, publicado no blog do jornalista Juca Kfouri, escrito por Antonio Azevedo, de Santos-SP, e intitulado "Acorda Recife", também me causou espécie.

No citado artigo, o autor se diz indignado com o projeto proposto para Recife, e propõe outra solução. Já que a cidade possui 3 grandes clubes, com 3 estádios próprios, porque, ao invés de investir R$ 400 milhões numa quarta arena na periferia da cidade, não se investe apenas metade desses recursos para reformar uma delas e evitar a construção de um elefante branco?
Parece simples, mas nem sempre o que parece simples de fato é.

Tambem sem me alongar demais, digo que dificilmente haveria interesse da iniciativa privada em investir, digamos, por volta de R$ 200 milhões, para reformar qualquer um dos 3 estádios de Recife, todos em péssimo estado (considerando o nível de exigências para um jogo de Copa). Tanto que nenhum dos 3 clubes sequer cogitou a hipótese de apresentar qualquer projeto nesse sentido. Por outro lado, imaginar os governos locais investindo dinheiro público em algum estádio privado, parece risível (ou será que o autor também defende a inversão de capital público no Morumbi ou no Beira Rio ?). Sendo assim, quais as alternativas que restam ?
Elementar meu caro Antonio. Erguer uma nova arena dentro de um modelo auto sustentável, que possa interessar a iniciativa privada através de uma PPP, costurando um acordo prévio com 2 dos 3 grandes clubes de Recife para mandarem seus jogos na futura arena, e, de quebra, revitalizando alguma área degradada da cidade. Que é exatamente o que parece ser a intenção do projeto de Recife (que, diga-se de passagem, conheço apenas o que foi divulgado publicamente pelo comitê local).

A lamentar apenas a ânsia do dono do blog em publicar qualquer texto ou notícia que sugira "escândalos" do poder público, ou de seus desafetos na CBF, COB, FIFA e etc. Não os defendo, e muito menos sou pago para isso, mas publicar opiniões demagógicas, sem nenhum fundamento técnico (e sem um contraponto, algo como uma segunda opinião), em nada contribui para que o público em geral (e outros "Antonios"), possa se informar melhor sobre o assunto. Em resumo, um desserviço.

1 Comentários:

Às 30 de agosto de 2009 22:12 , Blogger Juventude Libertária disse...

Esse me pareceu o melhor dentre vários ótimos posts que vi nesse blog porque apresenta um problema prático e objetivo que existe nesse momento e algo precisa ser resolvido.

Me refiro a Recife:

1) se realmente for construido um 4º estádio em Recife e ele não for utiliado por nenhum dos 3 clubes então, pode apostar, que ele será um elefante branco mesmo que siga toda essa receita de bolo que diz que um estádio deve ter shopping, teatro, gramado retratil etc para se tornar economicamente viável.

Portanto, sendo viável ou não uma terceira opção, algo precisa ser prensado.

Uma delas seria da tal iniciativa privada reformar ou reconstruir um dos estádios recebendo, em troca, o direito de exploração por 30 anos + Naming rigts + o que for preciso para que ele saia do papel.

Porém, diante do FATO de que essa iniciativa privada não dá as caras então, a idéia da iniciativa pública investir em um estádio de algum dos clubes não pode ser tratada como absurda ou imoral.

"(ou será que o autor também defende a inversão de capital público no Morumbi ou no Beira Rio ?)"

Vamos à realidade: É obvio que os governos irão sim investir nesses estádios porque sabem que se não fizerem eles simplesmente não ficarão prontos para receber os jogos da copa. Além disso, o aporte financeiro público certamente será disfarçado em "empréstimos" do BNDES.

Agora, comentando a sua solução:

"Erguer uma nova arena dentro de um modelo auto sustentável, que possa interessar a iniciativa privada através de uma PPP"

Especifique isso! Eu sou totalmente favorável à iniciativa privada e a iniciativa pública (quando a sociedade julgar que um investimento é necessário), mas as PPPs do jeito que estão sendo feitas não só no esporte, mas em todos os setores, é um enorme clientelismo onde o governo entra com o dinheiro e a iniciativa privada entra só para sacar os lucros e dividendos.

"costurando um acordo prévio com 2 dos 3 grandes clubes de Recife para mandarem seus jogos na futura arena"

Mas para isso eles teriam que aceitar demolirem seus estádios, pois eles não servirão mais para nada e darão prejuízos enorme se continuarem de pé.

Acho que isso seria inteligente sim (desde que seja feito de forma honesta e não com PPPs), mas, me parece fora da realidade porque teria que haver uma mudança de cultura nos dirigentes de clubes ( e tambem nos torcedores e na sociedade em geral), seria necessário abrir mão de uma idéia competitiva para adotar uma idéia cooperativa onde os clubes ao inves de se orgulharem de suas propriedades terão que ser "sócios" dos seus rivais.

Perceba que não é dificil só porque os dirigente e torcedores de futebol são burros, mas sim porque toda a nossa cultura foi montada na idéia de que somos melhores quando temos propriedades e não quando somos inteligentes o suficiente para compartilha-las.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial